Cresce a presença de mulheres no mercado de TI em cargos de liderança



Conhecida como uma das áreas mais masculinas do mercado de trabalho, a Tecnologia da Informação vive um processo de mudança, provocado pelo aumento de profissionais mulheres nos últimos anos. Dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, apontam um crescimento de 60% na representatividade feminina na área de TI nos últimos cinco anos – passando de 27,9 mil mulheres para 44,5 mil.


Na Indigosoft – fabricante de plataformas tecnológicas de alta performance focadas em robotização e Inteligência Artificial, as mulheres ocupam quase 20% do quadro de funcionários.


Mais do que isso, a empresa de TI, tem a diretoria composta por três sócios, sendo duas mulheres: Daniele Giangiardi Vendichetis e Flaviana Sallowicz Giangiardi. Cargos de liderança sendo ocupados pelo gênero feminino nas corporações têm ganhado destaque, diferente do que acontecia há alguns anos. O Índice de Diversidade de Gênero (IDG), pesquisa elaborada pela Kantar, mostra que a quantidade de mulheres que ocupavam esses cargos no mundo dobrou nos últimos anos — de 10% para 20%.


Ambas foram convidadas a fazer parte da sociedade da Indigosoft em 2019, pelo fundador da empresa, Fabrício Vendichetis Martins. “Sempre respeitei e valorizei o papel da mulher dentro do mercado de trabalho. Acredito que homens e mulheres podem se complementar e juntos fazerem um trabalho melhor. Haja visto convidei duas mulheres para estarem ao meu lado e ajudarem no crescimento da Indigosoft”, explica Fabrício.


Liderança na Indigosoft


Aos 23 anos de idade, Daniele empreendeu pela primeira vez ao desenvolver uma metodologia de ensino de inglês por meio da música. E desde 2015, trabalha com Desenvolvimento Humano de liderança, possuindo vasta experiência em Head Hunting de profissionais de Tecnologia. Atualmente é responsável pelo setor de marketing e RH da Indigosoft, além de ter recentemente assumido a área comercial.


Flaviana iniciou a carreira como estagiária em um grande banco internacional e saiu de lá como diretora, soma mais de 20 anos de carreira em instituições financeiras e hoje é responsável pela diretoria financeira e operacional.


Tanto Daniele quanto Flaviana acreditam que a postura do Fabrício foi importante nesse processo. “O homem precisa respeitar e valorizar a mulher no mercado de trabalho, só assim cada vez mais as mulheres poderão se apropriar do espaço que merecem. Aqui na Indigosoft só conseguimos isso porque o Fabrício abriu essa oportunidade e pudemos mostrar do que somos capazes”, relatam.


No Brasil, já é comprovado que o gênero feminino supera o masculino nos estudos e na preparação de carreira: dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 23,5% das mulheres com mais de 25 anos possuem ensino superior, ao passo que a porcentagem de homens com a mesma titulação é de 20,7%.


“É fundamental fazer mais para ampliar, e muito, esse percentual. Temos que dar um basta nessa ideia de que mulher não combina com determinado mercado. As mulheres, quando vão bem, costumam gabaritar em nossos processos seletivos”, conta Daniele. E Flaviana destaca outro ponto importante: “Eu nunca achei que não podia chegar onde cheguei. Minha família, em especial a minha mãe, sempre me incentivou e motivou a ter a minha carreira e, consequentemente, buscar a minha independência financeira”.

0 visualização0 comentário