GERAÇÃO Z: SUAS NECESSIDADES E CONTRIBUIÇÃO PARA O MUNDO DOS NEGÓCIOS



Estudar comportamentos e buscar entender as demandas de cada geração tem sido pauta de grandes estudos nos últimos anos. Isto porque já é subentendido que, para analisar qualquer atividade que envolva o fator humano, como por exemplo no ambiente empresarial, é preciso desenvolver um olhar sensível para temas como produtividade, lucro, sucesso, qualidade de vida, satisfação e autodesenvolvimento.


A geração Z é definida por indivíduos que nasceram a partir do ano de 1995 e uma das características mais marcantes é que este público advém da geração tecnológica, ou seja, já nasceram em meio aos computadores, celulares, tablets e outros recursos que fazem com que desconheçam o que é ficar ‘’offline’’. Dessa forma, um termo muito comum para descrever a relação deste público com a tecnologia é o termo ‘’all line’’, pois estão sempre conectados e fazendo atividades simultâneas por meio da internet.


Muito embora as tecnologias tenham trazido grandes avanços para a sociedade como um todo, não se sabe, a longo prazo, quais os efeitos negativos de tanto estímulo. Mas é possível, desde já, pontuar alguns ‘’efeitos colaterais’’ dessa geração, os quais precisam ser analisados com certa urgência, tais como ansiedade, fadiga, o estado constante de alerta e a mente cansada devido a tantas informações que discorrem simultaneamente. Por outro lado, essa habilidade de estar integrado a tantos recursos também os favorece para que sejam práticos, dinâmicos e multifacetados.


Assim, todo e qualquer negócio envolvendo a geração Z terá a necessidade de olhar com carinho para um fator chave: o equilíbrio. Compreender as características, estar em contato com o polo positivo e negativo do que a geração contemporânea apresenta faz com que um olhar mais apurado seja desenvolvido para que estes busquem cuidar de aspectos que exigem atenção, como sustentabilidade e economia, por exemplo.


No que tange ao favorecimento, sabe-se que a presença destes indivíduos nos negócios, seja como contribuintes de uma empresa ou até mesmo no empreendedorismo traz inovação, vida, liberdade, dinamismo e conexão com temas diversos. Por estarem imersos à era da informação e conhecimento, estes profissionais são antenados em diversas causas, como as sociais e ambientais, o que favorece a criação de uma visão de mundo e valores empresariais muito positivos, pois sabe-se que os impactos do trabalho têm que estar em ressonância com o desenvolvimento humano, caso contrário, já não é uma proposta viável e a sociedade contemporânea exige esse olhar para o planeta e a vida como um todo.


Além disso, eles apresentam soluções práticas e dinâmicas para questões básicas de uma rotina trabalhista, ou seja, viabilizam a comunicação por whatsapp, chats online, e-mails objetivos, interagem pelas redes sociais, flexibilizam a rotina com home office, projetos e outros mecanismos que tornam a rotina mais leve. Percebe-se, inclusive, que a rotina não tende a ser algo muito bem visto, pois estão sempre em busca de coisas novas e são capazes de se desprenderem com facilidade de uma carreira para buscarem aquilo que acreditam verdadeiramente. Com isso, como ‘’desfavorecimento’’ pode-se citar a volatilidade, superficialidade, excesso de desprendimento, entre outros.


Assim, ao mesmo tempo em que este público é capaz de gerar inúmeras contribuições para o mercado trabalhista, a presença de outras gerações que trabalhem concomitantemente não é descartada, pois a ‘’voz da experiência’’ da geração X pode ajudar em momentos onde são exigidos constância, decisão e solidez. E também é preciso e indicado que esta geração esteja aberta a identificar as suas próprias necessidades e receber orientações e contribuições das outras gerações, trabalhando de forma harmônica e equilibrada.


Até mesmo nos próprios ambientes de trabalho que contemplam essa geração, é cada vez mais visto salas para descanso, projetos de lazer, intervenções que geram leveza como dia de fantasia, permissão para levar animais de estimação e práticas como yoga e mindfulness, justamente para trazer este equilíbrio que provém do excesso de tecnologia, informação e acontecimentos.


O fato é que se trata de um público que tem muito a contribuir com o mercado e para a sociedade em geral, e desde que a mesma sede de transformar o mundo também se aplique em transformar a si próprio, as perspectivas para a humanidade são sempre as melhores possíveis pois pode-se esperar mais avanços no que tange a comunicação, relações humanas, cultura, ciência, tecnologia, natureza e toda a base necessária para um mundo melhor.


Pamella de Brito Gonçalves é analista de projetos na Indigosoft, formada pela Universidade Camilo Castelo Branco e Especialista em Dinâmica de Negócios e Liderança pela instituição Business School - Laureate International Universities – BSP.


O conteúdo desta matéria é de criação exclusiva de seus autores e não necessariamente representa a opinião da Indigosoft.

219 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo