• diegooliveira

Quando a tecnologia não anda com o negócio, a empresa fica para trás



A conexão digital e o conceito de inovação já tomaram conta do mundo e esse cenário não será revertido. Por isso, salvo alguns casos muito específicos, as organizações que excluírem a área de TI das estratégias do negócio não vão prosperar. Isso deixou de ser uma questão de escolha para se tornar um meio de sobrevivência. A realidade aquece o mercado para os profissionais, com destaque para os que estão inseridos no mundo da Metodologia Ágil e buscam conhecimentos por conta própria. Isso se explica pelo fato de que novas tecnologias e linguagens surgem muito antes das necessidades se instalarem nas empresas e os profissionais têm que se pautar no conhecimento teórico adquirido para se destacarem no dia a dia de trabalho.



Na seleção, abandone antigos paradigmas


O gestor que possuir uma vaga em aberto e se vir cara a cara com um profissional de talento não deve demorar para tomar a decisão. Isso porque tem sido frequente a situação de empresas que perdem um candidato bom para o mercado ao decidirem manter a tradição de procurar por outros perfis que sirvam de comparação. A regra é: otimize os processos com menos etapas ou fases condensadas, porém com o cuidado de manter a qualidade da seleção. Além disso, na visão do candidato, processos rápidos, eficazes e sem burocracia refletem a agilidade da empresa e parecem mais interessantes e alinhados à atual dinâmica da área de TI.



O que os profissionais anseiam


O profissional que atua em TI está mais preocupado em se sentir conectado ao propósito do negócio do que em ser motivado tradicionalmente por cargo, salário ou benefícios. Ele deseja estar à frente da tecnologia, o que faz com que rejeite propostas de organizações que atuem com linguagens ultrapassadas, independentemente da remuneração oferecida.



Produtividade e automação


Analistas de Business Intelligence (BI) estão bastante demandados, em todos os níveis de senioridade. A grande procura se deve ao fato de que as empresas já entenderam que não é possível traçar o rumo dos negócios sem ter dados confiáveis em mãos. A precisão é cada vez mais necessária para manter a competitividade e o retorno financeiro às empresas em curto, médio e longo prazos, gerando sustentabilidade de crescimento nos negócios.



Transformação Digital x Transformação Cultural


Algumas companhias ainda não entenderam, mas a Transformação Digital está diretamente relacionada à Transformação Cultural da empresa. Ela exige evolução no perfil das pessoas que compõem uma organização e na forma de trabalhar, incluindo Metodologia Ágil, Kanban e Scrum. Se antes, por exemplo, um projeto só demandava reuniões para marcar seu início e fim, hoje a avaliação da mesma ação é fracionada. Ou seja, existe um começo e a entrega é feita em partes, até a conclusão, com a possibilidade de reavaliar e melhorar a qualidade do trabalho a cada etapa concluída. Todo esse processo está muito conectado a TI, uma vez que há soluções de tecnologia que permitem a gestão da produtividade, garantindo processos mais efetivos, alinhados e curtos. Vale ressaltar que essa transformação cultural deve ser entendida por todas as camadas da companhia, da base à alta diretoria. Outro ponto a ser destacado é que, em muitas empresas, a Metodologia Ágil, que teve início em TI, se expande para todas as áreas como método eficaz de aumento de produtividade em geral.



O que esperar de 2020?


Posições de destaque


Gerente de TI


Desenvolvedor


Cientista de Dados


Chief Technology Officer


Segurança da informação



Habilidades mais demandadas


Idiomas


Agilidade


Foco em resultado


Visão estratégica


Boa comunicação


Atualização em tendências da área





fonte: Guia Salarial Robert Half

30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo