Tecnologia pesada pode frear coronavirus



Grandes empresas e organizações de tecnologia estão unindo esforços em grandes proporções para barrar o avanço do coronavírus pelo globo. A mais recente surgiu na segunda-feira (23): será uma força-tarefa do governo americano com algumas gigantes de tec, para juntar recursos de supercomputação para barrar a pandemia. Outras ações que estão ocorrendo no setor são a Folding@Home, uma reunião de computadores de todo o mundo para criar um megaprocessamento de dados para achar uma solução; o Summit, supercomputador da IBM, achando possíveis substâncias para prevenir o contágio; e Amazon e Alphabet (do Google) trazendo suas soluções de testes clínicos em larga escala.



Consórcio das grandes de tec


IBM, Amazon, Microsoft e Google estão confirmados na "COVID-19 High Performance Computing Consortium" (Consórcio de Alta Performance COVID-19), a força-tarefa anunciada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, nesta semana. A aliança vai oferecer enorme poder computacional a cientistas, para que consigam desenvolver rapidamente algoritmos da contaminação, novas terapias e, possivelmente, uma vacina para a doença. As empresas vão trabalhar com o Escritório de Política Científica e Tecnológica da Casa Branca, além do Departamento de Energia dos EUA.


Serão reunidos 16 sistemas de diferentes empresas e instituições, colocando à disposição dos pesquisadores 775.000 núcleos de processadores e 34.000 GPUs, somando mais de 330 petaflops de processamento por segundo. Isso inclui o Summit, da IBM, o supercomputador mais rápido do mundo. "Os pesquisadores poderão processar números enormes de cálculos de epidemiologia, bioinformática e modelagem molecular. Esses experimentos demorariam anos para serem completados manualmente, ou meses se usassem plataformas computacionais tradicionais", disse Dario Gil, diretor da IBM Research, empresa que criou e está coordenando a aliança.


Cientistas podem inscrever seus trabalhos no site do consórcio. As empresas irão oferecer supercomputadores, serviços de computação de nuvem, inteligência artificial, softwares, pesquisadores, técnicos e laboratórios. A Nasa também faz parte da aliança. Entre os parceiros acadêmicos, estão o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), o Instituto Politécnico Rensselaer, os laboratórios nacionais do Departamento de Energia e a National Science Foundation.



Folding@Home


Outra iniciativa, global e não-governamental, é a Folding@Home. Com 470 petaflops, ela já é mais poderosa do que os sete maiores supercomputadores do mundo somados. Mas como? É um projeto de supercomputação colaborativa em que qualquer um pode doar um pouco de poder computacional. Nas últimas semanas, 400 mil novos voluntários se uniram à rede, principalmente mineradores de bitcoin e gamers, com um objetivo: desvendar o mecanismo das proteínas do coronavírus e impedir que ele infecte nossas células.


Com uma capacidade computacional inédita à disposição, cientistas podem desenvolver possíveis curas ou vacinas mais rapidamente. Antes da pandemia, a Folding@Home, organizada pela faculdade de Medicina da Universidade de Washington, contava com cerca de 30 mil colaboradores, realizando pesquisas para tratamentos de câncer, Alzheimer e Parkinson. No canal do Twitch, é possível acompanhar algumas simulações em tempo real.


Cada bit conta e você também pode ajudar: basta instalar o aplicativo da Folding@Home e liberar parte de sua CPU ou GPU para combater o vírus. Leva apenas alguns minutos para configurar e não precisa fazer mais nada depois.



IBM


Este mês, o Summit, da IBM, identificou 77 substâncias químicas que podem ser usadas para impedir o contágio por coronavírus, após simular como 8.000 diferentes moléculas interagiriam com o Covid-19. Com 200 petaflops, ele realiza em torno de 200 quadrilhões de cálculos por segundo —ou seja, é um milhão de vezes mais rápido que o seu notebook. Pesquisadores da Universidade do Tennessee e do Laboratório Nacional Oak Ridge, onde fica o supercomputador, publicaram os resultados no periódico científico ChemRxiv. Agora, estão sendo realizados experimentos com estes 77 compostos, na tentativa de desenvolver um tratamento.


Além disso, a IBM tornou o coronavirus o segundo foco do "2020 Call for Code Global Challenge", sua competição anual de desenvolvedores. O objetivo é estimular programadores do mundo todo a criarem apps que contribuam para a superação da pandemia. As inscrições já estão abertas no site da competição, que inicialmente abordava apenas a mudança climática e seus efeitos. Os ganhadores receberão US$ 200 mil em dinheiro.



Amazon


A divisão de computação em nuvem da Amazon, a Amazon Web Services (AWS), lançou uma iniciativa de US$ 20 milhões para combater o coronavirus. O objetivo é acelerar a pesquisa e desenvolvimento de soluções de diagnóstico, principalmente um exame mais rápido e preciso para o Covid-19. Eles querem um teste que possa ser feito em casa ou em uma clínica com resultados na hora, que poderia reduzir o avanço da pandemia. Já a Amazon Care, divisão médica da empresa, se juntou ao projeto Scan (Seattle Coranavirus Assessment Network), financiado pela Gates Foundation, de Bill Gates. A Amazon está contribuindo com a logística de entrega e retirada de testes nas casas de pessoas sintomáticas na região de Seattle. A própria pessoa coleta uma amostra nasal, que é enviada para um laboratório. Além de realizar diagnósticos, o objetivo do projeto é estudar como a doença está se espalhando entre os diferentes grupos demográficos e calcular o seu avanço.



Alphabet


A Verily Life Science, divisão da Alphabet, empresa-irmã do Google, desenvolveu um sistema para que pessoas sintomáticas sejam testadas para o Covid-19, segura e gratuitamente, na Califórnia. Primeiro, uma ferramenta de triagem online detecta os casos mais suspeitos e de maior risco. Os pacientes, então, são direcionados para um laboratório móvel, em um local secreto, que funciona como um drive thru: amostras nasais são coletadas rapidamente por um profissional de saúde, dentro de seu próprio carro. Depois de alguns dias, chega o resultado. O projeto-piloto deve ser expandido para mais locais nas próximas semanas.



Tesla, GM e Ford


As três empresas de tecnologia automobilística receberam um "ok" do governo norte-americano para produzirem respiradores —essenciais para a recuperação de pacientes hospitalizados em estado crítico. Estima-se que 960 mil pessoas possam precisar do aparelho nos Estados Unidos, mas há apenas 200 mil no país todo, metade deles de modelos obsoletos.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo